Impacto das pragas no valor dos produtos


Os insetos sempre existiram e têm um papel benéfico na natureza, o homem causou desequilíbrio no meio ambiente. E, assim, a relação de autocontrole foi perdida causando o aumento de espécies dominantes e extinção de outras. As doenças, danos e prejuízos causados pelo crescimento da população de insetos os transformam em pragas.

A ineficiência de um controle de pragas tem sido estudo de muitos institutos de pesquisa no Brasil. Como o próprio nome diz, Controle de Pragas é o resultado de ações periódicas nos locais onde foram detectadas as infestações ou ainda em outros locais como prevenção, afim de que haja um raio de proteção contra as pragas.

Os principais danos causados pela presença e ataque dos insetos aos produtos armazenados são a perda de peso e redução do valor comercial do produto, perda de qualidade, alteração de cor, sabor e qualidade do alimento produzido, presença de fragmentos e fezes dos insetos e perda de vigor e germinação das sementes.

Entretanto, dois fatores são fundamentais para evitar a presença de insetos: Limpeza dos Ambientes e Proteção Física que, juntos contribuem significativamente para a redução de infestações.

O controle de pragas se divide em inspeção inicial – ação minuciosa de todas as dependências do imóvel e avaliação dos níveis de infestação com posterior mapeamento das instalações, dando-se a elas níveis de criticidade e Identificação de Pragas. E esta etapa implica, inicialmente, no conhecimento básico da morfologia dos roedores, insetos rasteiros e voadores, pragas típicas da região, etc., que depois é registrado em formulário desenvolvido para cada instalação, reunindo dados de observação de focos e resultados das inspeções.

A partir daí, o Sistema de Monitoramento se faz com registros técnicos devidamente documentados. É a certeza do combate efetivo a esta praga. São os históricos de cada instalação que irão determinar parâmetros de coordenação e ajuste do Controle Integrado.

Fonte: Real Expurgo